Comic Boom!


Ray Moore



País de nascimento: Estados Unidos da América
1905
13 de janeiro de 1984

Lista de revistas com trabalhos de Ray Moore
Veja lista detalhada dos trabalhos


Desenhista americano, famoso por ter criado “O Fantasma” (The Phantom) junto com Lee Falk. Raymond S. Moore nasceu em Montgomery City, Missouri, e começou nos quadrinhos como assistente de Phil Davis em “Mandrake, o Mágico” (também de Falk).

Segundo Segundo Luiz Antônio Sampaio, na revista “Calafrio” nº 21, 1984, “Ray Moore, o desenhista que criou visualmente o famoso 'The Phantom' (O Fantasma) de acordo com os roteiros de Lee Falk, faleceu dia 13 de janeiro, aos 78 anos, vítima de derrame cerebral, em Kirkwood, subúrbio de Saint Louis, Missouri.

Falk e Moore iniciaram 'The Phantom' no dia 17 de fevereiro de 1936, apenas como tiras diárias; as páginas dominicais surgiram somente em 28 de maio de 1939. Falar sobre o trabalho de Ray Moore talvez se torne um tanto desnecessário, pois qualquer leitor com um mínimo de entrosamento com as HQs conhece o seu estilo de desenho e a sua grande capacidade de movimentar visualmente os roteiros de Falk. Talvez fosse mais interessante falar sobre quem foi Ray Moore. Mas aí a grande decepção, pois pouco se sabe sobre ele. Na verdade, o homem acabou se tornando mais misterioso que o próprio 'Fantasma'.”

A exemplo de Allen Dean (o desenhista de “King of the Royal Mounted” e “Tex Thorne”), Moore desapareceu do cenário dos quadrinhos após deixar definitivamente “O Fantasma”, em 1948.

Consta que ele sofreu um sério acidente automobilístico em 1942, mas surgiram versões que falavam sobre um ferimento na Guerra e excesso de bebida. Mas, ao que tudo indica, o que o deixou incapacitado foi ferimento de Guerra mesmo. “O colega [Ray Moore] que iniciou a tira do Fantasma estava incapaz de desenhar quando voltou da Guerra, devido a um ferimento”, explicou Wilson McCoy, substituto de Moore, ao “Chicago American's Pictorial Living”, em fevereiro de 1956. “Ele me pediu para continuá-la, e eu paguei a ele um 'royalty'”.

A partir de 1942 a historieta foi entregue a McCoy. O primeiro episódio desenhado por Moore a receber o reforço das pinceladas de McCoy foi “The Phantom goes to war (The inexorables)” (tira diária em preto-e-branco iniciada em fevereiro de 1942 e publicada no Brasil pelo jornal “O Globo” em 1945 com o título “Guerra no Oriente”). A partir daí McCoy foi se tornando o desenhista oficial da série. Mas até 1948, esporadicamente, Moore voltava a desenhar histórias completas ou parte delas. O último episódio do Fantasma a contar com a pena de Moore foi “The haunted castle”, (aventura dominical inciada em setembro de 1948), feita em parceria com McCoy.

“Curiosamente, Ray Moore não tinha o costume de assinar os seus desenhos. Como muitos já devem ter percebido, poucas são as tiras assinadas pelo desenhista. Hoje, um original de Moore é algo raro no mercado americano e uma tira sua, assinada, consegue cotações elevadíssimas entre os colecionadores dos EUA e Europa”, informa Sampaio. Fotos suas também são raras. Para se ter uma idéia, até 2011 só duas fotografias de Moore eram conhecidas do público, ambas de perfil. Em julho de 2011, em homenagem ao 75º Aniversário do Fantasma, sua sobrinha-neta, Gina Moore Reiners, divulgou uma série de fotografias da família Moore que vão desde a infância de Ray até a idade adulta.

Durante sua trajetória no “Fantasma”, Moore fez o herói com o físico longelínio, esguio, dentro de um cenário repleto de sombras e mistério. Foi conquistando admiradores célebres, como Federico Fellini e Umberto Eco.


(acima, uma das raríssimas fotos de Ray Moore)



Relate algum problema encontrado nesse artista

  • antônio Luiz Ribeiro
  • Adicionado por
    antônio Luiz Ribeiro
    em 02/11/2007 22:24:00