Vertigo: Além do Limiar


George Tuska



País de nascimento: Estados Unidos da América
26 de abril de 1916
16 de outubro de 2009

Lista de revistas com trabalhos de George Tuska
Veja lista detalhada dos trabalhos


Artista americano, filho de imigrantes russos, George Tuska nasceu em Hartford, Connecticut. Começou a trabalhar com quadrinhos em 1938 (e não 1939, como indicam algumas fontes), no estúdio Eisner & Iger (que Will Eisner dividia com Jerry Iger).

Foi convocado para a Segunda Guerra Mundial onde trabalhou desenhando para artilharia. Depois do conflito, trabalhou para Lev Gleason ilustrando o gibi policial “Crime Does Not Pay”, que tinha uma circulação mensal de mais de um milhão de cópias.

Com a criação do selo Comics Code, que acabou com os gibis mais violentos e sadomasoquistas, Tuska passou a desenhar para a Tower Comics e para tiras de jornais, como “Scorchy Smith” e “Buck Rogers”. Neste último ele não foi feliz. Seu “Buck” era bem inferior aos de seus antecessores. A grande fase do desenhista aconteceu mesmo foi em meados da década de sessenta, quando foi trabalhar com Stan Lee na Marvel Comics, fazendo “Capitão América” e “Hulk”, antes de tomar as rédeas do “Homem de Ferro”. Inclusive há quem considere Tuska um dos pais do universo Marvel de super-heróis (que surgiu naquela época), ao lado de Lee, Kirby, Ditko e Heck. É nessa época que seu traço fica mais identificável: é a fase dos vilões dentuços, de olhares enlouquecidos, às raias da insanidade, e das mulheres de rostos angelicais e corpos sensuais. Assim como os colegas da casa (Kirby, Buscema, Colan...), o artista adotou o método Marvel de desenhar poses dos heróis, que consistia em “distorcer” anatomicamente os corpos dos personagens, em cenas de ação, a partir de vários ângulos.

Tuska continuou a ser o artista principal de “Homem de Ferro” por 10 anos. Além do conhecido Vingador Dourado, ilustrou “Shanna” (1972), a quadrinização do primeiro filme “O Planeta dos Macacos” (1974) e “Luke Cage”, em parceria com o escritor Steve Englehart. Este conta que Tuska ignorava as subtramas do colega roteirista e mandava a arte de volta com explicações do tipo “não estava a fim de desenhar isso aí”. Ainda segundo Englehart, no n° 8 Tuska engabelou-o e o fez referir-se a Luke Cage como um bom “schvartze”. Englehart não percebeu que “schvartze” era um termo iídiche ofensivo aos negros. Três dias depois, saiu um pedido de desculpas envergonhado.

Tuska deixou a Marvel no fim dos anos setenta para tentar novamente a sorte nas tiras diárias e páginas dominicais, fazendo “The world's greatest superheroes” (publicadas no Brasil pelos jornais “O Globo” e “Zero Hora” com o título “Super-heróis”), HQ que reunia “Superman” e outros heróis da “Liga da Justiça”. Mais tarde, ele desenhou para a DC algumas edições do “Lanterna Verde”, “World's Finest” e da “Liga da Justiça”.

Ele se aposentou do trabalho profissional em meados da década de oitenta, mas continuou a desenhar, até sua morte, atendendo a pedidos de fãs do mundo todo.


(na foto, o desenhista por volta da segunda metade dos anos 60)



Relate algum problema encontrado nesse artista