Fantasma (2º)



Nome: Christopher "Kit" Walker
Nome original: The Second Phantom
Licenciador: King Features Syndicate
Criado por: Lee Falk

Lista de revistas com participação de Fantasma (2º)

O 2º Fantasma entrou em ação por volta de 1545. Ele apareceu em aventuras como “The wig” (“O filho do Fantasma”) e “O segredo da montanha mágica” (desenhada por Bill Lignante), publicadas na revista “Fantasma” da RGE, nºs 192 e 138, respectivamente. O que se sabe do 2º Fantasma foi amigo de Kianga, “o nobre chefe dos Wambesis” e que combateu "durante anos os piratas" (*).

CASAMENTO:

Segundo o atual Fantasma, “ele foi casado com uma inglesa, filha de um simples fazendeiro” (ver “Excalibur – parte 1”, na revista “Fantasma” nº 348, da RGE), o que contradiz o que Diana afirma em “A lenda da Bruxa de Hanta”, dominicais de 1979 por Lee Falk e Sy Barry:

“A casada com o segundo Fantasma foi Maribel, neta de Cristóvão Colombo.”

A hipótese mais aceita é a segunda, por ser das tiras oficiais (dentro do "canon"), embora até mesmo nessas "strips" haja pelo menos uma contradição: na sequência “The Heirs”, (diárias de 1978, por Lee Falk e Sy Barry), afirma-se que a neta de Colombo foi casada com o primeiro Fantasma.

O FILHO:

O segundo Fantasma enviou seu filho para estudar na Inglaterra. Só que o jovem rebelde acabou se apaixonando pelo teatro de Shakespeare e decidiu abandonar a tradição da família para ser ator.

MORTE:

O segundo Fantasma recebeu um ferimento que seria fatal, ao lutar contra piratas, na costa de Bangala. (*) Seus fiéis pigmeus Bandar o acharam caído nas areias da praia e o levaram para a Caverna da Caveira. Pouco tempo depois , Chris Walker, o futuro 3º Fantasma, recebeu uma visita: o chefe Bandar, Ogar (**), informando, a mando de sua mãe, que seu pai estava morrendo. O jovem acabou trocando a carreira de ator pela tradição da família.

Dias depois, ele faz o juramento do Fantasma diante do pai moribundo, que morreria logo depois, devido aos ferimentos que adquirira durante luta contra piratas.

De acordo com a tumba vista na história “Retorno ao templo do Éden” (“Fantasma especial” nº 1, da Mythos, pág. 37), o segundo Fantasma morreu em 1604. Mas como as datas escritas nessas tumbas são imprecisas e "chutadas", o bom senso indica a data de 1606 para a morte do segundo Fantasma.

- Antônio Luiz Ribeiro


(*) “The wig” (“O filho do Fantasma”);
(**) na HQ não-oficial “A noite das bruxas”, o nome do pigmeu é Duran.





Relate algum problema encontrado nesse personagem