Wally Wood



País de nascimento: Estados Unidos da América
17 de junho de 1927
2 de novembro de 1981

Lista de revistas com trabalhos de Wally Wood
Veja lista detalhada dos trabalhos


Desenhista e ilustrador americano. Após a Guerra, matriculou-se na New York's School of Visual Arts. Começou a carreira como letrista e assistente em “Terry e os piratas” (de George Wunder) e no estúdio Eisner & Iger (onde auxiliou Will Eisner no “Spirit”).

Mas foi em 1950 que se tornou popular, através das HQs de ficção-científica, aventura e terror que fazia para a editora EC, algumas delas em parceria com Harry Harisson. É dessa época, por exemplo, sua colaboração nas revistas de guerra “Aces High” (sobre combates aéreos), “Two-Fisted Tales” e “Frontline Combat”, todas da EC. Wood era grande admirador de Alex Raymond, que exercia forte influência em seu estilo.

Com o cancelamento da linha de terror e FC da editora, em meados dos anos 50, Wood foi para a revista “Mad”, da mesma empresa, onde se destacou como um dos artistas principais. Novamente, brincou com os personagens de Raymond na sátira “Flesh Gordon” (na “Mad” nº 11, em 1954). Wood evidentemente se divertia desenhando “Flash Gordon”, mesmo sob o formato de sátira. Mas em 1957 ele finalmente realizou seu sonho, desenhando oito tiras diárias do “Flash Gordon” oficial (episódio “Cybernia”, publicado entre 19/08/57 e 19/10/57). Embora seu nome não fosse creditado (as tiras eram assinadas por Dan Barry), Wood estava finalmente entrando no “roll” dos artistas que desenharam o grande herói espacial. No ano seguinte, juntou-se a Jack Kirby em uma nova tira de ficção científica, “Sky Masters”.

Wood havia saído furioso da “Mad” porque um editor recusara uma história sua. Daí, em 1964, foi para a editora Marvel, substituindo Bill Everett e Joe Orlando no “Demolidor”. No número 7 (1965) daquela revista, Wood veio com um novo e mais moderno uniforme para o famoso herói, todo vermelho. O artista, no entanto, não se adaptou muito bem ao “método Marvel” de fazer quadrinhos (que consistia basicamente do desenhista desenvolver a história a partir de um resumo feito por Stan Lee e este, depois, acrescentar os diálogos), inclusive achava que estava criando argumentos sem ser pago nem ganhar crédito. Sem contar que ele sofria de enxaqueca crônica, depressão, bebia bastante e passava noites insones no estúdio, subsistindo de cafeína e cigarro. Assim, deixou o Demolidor ainda naquele ano, guardando ódio de Stan Lee. Mas o novo uniforme ficou, agora desenhado por John Romita.

Enquanto isso, Wood tocava um novo gibi: “T.H.U.N.D.E.R. Agents”, para a Tower Comics. Paralelamente, começava a ingressar no obscuro mundo “underground” dos comics, criando a revista “Witzend” (1966-69).

A década de 70 foi marcada pelo ingresso definitivo de Wood nos quadrinhos eróticos, embora tenha feito também material para a DC Comics (“Stalker”, “Isis”, “Hércules Libertado”, “Sociedade da Justiça”).

Suicidou-se em 1981, devido a doença que enfrentava.



Fonte —
- Michael T. Gilbert. “Alter Ego” nº 18, 2002, pág. 34;
- Antônio Luiz Ribeiro



Relate algum problema encontrado nesse artista

  • destino2099
  • Adicionado por
    destino2099
    em 01/05/2007 05:15:00