Comic Boom!


John Stanley



País de nascimento: Estados Unidos da América
22 de março de 1914
11 de novembro de 1993

Lista de revistas com trabalhos de John Stanley
Veja lista detalhada dos trabalhos


John Stanley era “prata da casa” da Western Printing, braço editorial da Dell Comics. Trabalhou brevemente com animação no Fleischer Studios e contribuiu para a revista em quadrinhos do Mickey Mouse. Stanley foi incumbido em 1945 de criar, para a Dell, os quadrinhos de Luluzinha, personagem criada dez anos antes por Marge (Marjorie Henderson Buell), que produzia exclusivamente cartuns mudos, sem textos. A nova Lulu da Dell demandava uma nova estrutura. Agora não eram mais tiras mudas, e sim HQs com muitas páginas. Diz a lenda que Stanley teve uma única reunião com Marge, quando levou os esboços mostrando como pretendia fazer os gibis. Marge, rigorosíssima com o uso de sua personagem, fazia questão de aprovar pessoalmente todas as histórias. Mas gostou do que viu. Só encrencou uma única vez: em 1950 vetou integralmente a publicação de uma história do Bicho-Papão, que achou assustadora demais para crianças. Entre a primeira edição (“Four Color” n° 74, junho de 1945) e a seguinte (“Four Color” n° 97, fevereiro de 1946), houve um hiato de oito meses. Mas, a partir daí, ela começou a aparecer em intervalos cada vez menores.

Stanley, que começou fazendo os desenhos, mas logo se limitou a esboços entregues a outros desenhistas (principalmente Irving Tripp). Stanley acrescentou personagens coadjuvantes (todos, exceto o Bolinha) e criou todo o universo conhecido da HQ. Bolinha foi batizado por Stanley como “Tubby”, pois nas poucas vezes que apareceu nas charges de Marge era chamado de “Joe”.

Em 1959, achando que estava começando a se repetir, Stanley se demitiu, transferindo-se para um outro gibi estrelado por um casal de crianças, “Nancy e Sluggo” (Tico & Teca), baseado numa tira famosa da United Features. Tripp, entretanto, continuou desenhando as história de Lulu, agora escritas por outros roteiristas. A carreira de Stanley se encerrou nos anos 60, após algumas tentativas não muito bem-sucedidas de criar outros personagens.

Desgostoso por não levar créditos e muito menos receber direitos pelas republicações das historietas, acabou migrando para o mercado publicitário. Como outros cartunistas anônimos do período, seu nome ficou conhecido na velhice, quando suas obras viraram cult e passou a ser conhecido como o verdadeiro autor das histórias da fase áurea da Luluzinha.



Relate algum problema encontrado nesse artista

  • Tintim
  • Adicionado por
    Tintim
    em 16/03/2007 07:56:00