Vertigo: Além do Limiar


Abril


Títulos publicados pela Abril
A editora tem 1220 títulos cadastrados no site, somando 17108 edições no total.

Fundado em 1950 por Victor Civita como Editora Abril, o Grupo Abril é hoje um dos maiores e mais influentes grupos de comunicação da América Latina.

A editora começou com a publicação Raio Vermelho (maio de 1950) num pequeno escritório no centro de São Paulo. Ao todo, tinha meia dúzia de funcionários. Civita chamou a empresa de Abril porque na Europa esse mês dá início à primavera. "A árvore é a representação da fertilidade, a própria imagem da vida. O verde é a cor da esperança e do otimismo". O Pato Donald foi um de seus marcos iniciais, o que o torna o título de HQs de mais longa publicação contínua no Brasil. Com o lançamento do n° 22, adotou-se o formatinho para o gibi, padrão que viria a se tornar um modelo para os gibis brasileiros nas décadas seguintes.

No fim da década de 1950, a Abril começou sua grande transformação. Nos anos seguintes, atrairia os profissionais mais talentosos do país e investiria em treinamento e tecnologia, inaugurando uma cultura jornalística brasileira em texto, fotografia, edição e produção.

Em 1960, num empreendimento inovador, Civita resolveu publicar obras de referência em fascículos. Foi um fenômeno editorial. O conhecimento antes restrito às bibliotecas e livrarias chegava às bancas. No ano seguinte, a editora lançou seu primeiro álbum de figurinhas, “Álbum Diversões Escolares” (encarte gratuito da revista “Diversões Escolares”). Ao mesmo tempo, o crescimento da família Disney e o lançamento de “Zé Carioca”, em 1961, estimularam os artistas da Abril a produzir HQs para atender à demanda. “Recreio”, lançada em 1969, levou mais adiante a proposta de educar divertindo com suas histórias e atividades. Circulou por 12 anos e em 2000 foi relançada com uma proposta editorial atualizada, tendo sido transferida, em 2015, para a Editora Caras, junto com outros nove títulos.

Mas nem tudo foram flores. A Abril também foi alvo de críticas, em especial por parte dos fãs de quadrinhos. Os desenhistas nacionais, por exemplo, reclamam que a Abril só quer lucro imediato, não investindo em autores nacionais e nem apostando em novos lançamentos.

Crise

Em 2013, a editora passou por uma reestruturação, que cortou de dez para cinco o número de unidades de negócios. Nos dois anos seguintes, a Editora Caras adquiriu diversos títulos da Abril, como Placar e Você S/A; Exame Info e Capricho passaram a ter apenas versões digitais; e vários outros títulos foram extintos, tanto por queda de circulação como custos com royalties no caso das licenciadas Playboy, Men's Health e Women's Health.

Em junho de 2018, a editora deixa o edifício Birmann 21, passando para um prédio menor no bairro paulistano do Morumbi. No mês seguinte, ela deixa de publicar histórias em quadrinhos Disney, após 68 anos. No mesmo mês, a família Civita deixou o comando do Grupo Abril. Em agosto o Grupo pede recuperação judicial, tendo contraído uma dívida de 1,6 bilhão de reais. Em agosto, a editora fechou títulos e fez demissões. Foram mais de 50 jornalistas demitidos e grandes títulos encerrados como: Arquitetura e Construção, Boa Forma, Casa Claudia, Cosmopolitan Nova, Elle e Minha Casa. Em dezembro, o empresário Fábio Carvalho comprou 100% das ações da empresa, por meio do grupo Legion Holdings.

Publicações

Fontes:
www.abril.com.br
https://pt.wikipedia.org/wiki/Recreio_(revista)
https://pt.wikipedia.org/wiki/Editora_Abril


http://www.abril.com.br/

Abril